domingo, 3 de julho de 2022

Bruno Guimarães supera tensão de início e se diz em casa na Seleção: “Já fico zoando com todo mundo”

Meia diz que teve medo ao trocar Lyon por Newcastle: "Fiquei uns quatro dias sem dormir"

Publicado em
porLeonardo

Bruno Guimarães tem apenas seis jogos pela Seleção, mas já fala como quem veste a amarelinha há muito tempo. O jovem de 24 anos deu assistência nas últimas três partidas que disputou e ainda fez gol no jogo passado, contra a Bolívia, em março.

Nesta quinta-feira, em amistoso contra a Coreia do Sul, Bruno Guimarães será titular mais uma vez.

– Nas minhas primeiras duas convocações eu estava nervoso para caramba, agora me sinto em casa, me sinto feliz, já fico zoando com todo mundo. Quando você se sente em casa, seu futebol melhora. Não à toa, nas últimas três partidas dei três assistências, fiz um gol, isso é bom, é legal. Estou em um momento especial na carreira, depois que descobri que vou ser pai também as coisas melhoraram bastante. Quando você se sente em casa, se sente bem com todo mundo consegue jogar melhor – comentou o jogador.

Com Casemiro e Fabinho poupados por terem disputado a final da Liga dos Campeões no último sábado, Bruno Guimarães vai formar dupla no meio de campo da Seleção com Fred.

– A gente vai tentar quando um for, o outro ficar. Sabemos que são dois segundo volantes de origem, apesar de eu jogar bastante de primeiro volante no Newcastle, também joguei na seleção olímpica. Vai ficar um time bastante móvel, vamos querer ficar bastante com a bola, circular o jogo, fazer a bola chegar no Ney, no Paquetá, nos caras da frente, fazer o time jogar. Esperamos fazer o time jogar e ganhar mais um amistoso – disse.

Na entrevista coletiva desta terça-feira, Bruno Guimarães também comentou a transferência do Lyon para o Newcastle no começo do ano, e a importância da troca para o desenvolvimento da carreira dele.

– Foi uma das decisões mais difíceis da minha vida, acho que fiquei uns quatro dias sem dormir. Não vou mentir, tive medo, sim. Ainda mais por o clube estar na zona de rebaixamento. Mas depois que cheguei lá e fiz meu primeiro treino a confiança subiu novamente. Depois que comecei a jogar tudo começou a dar certo, terminamos em 10º, um time que estava em penúltimo. A melhor decisão da minha vida foi ter ido para o Newcastle, para a Premier League, acredito que pode ter sido um diferencial nas minhas convocações também –analisou.

O Brasil deve ir a campo nesta quinta-feira com: Ederson (Alisson), Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Fred e Bruno Guimarães; Raphinha, Richarlison, Neymar e Lucas Paquetá.

Além do duelo contra a Coreia, o Brasil enfrenta o Japão nesta data Fifa. O amistoso será na próxima segunda, às 7h20 (de Brasília), em Tóquio.

Confira abaixo outros trechos da entrevista de Bruno Guimarães:

Amistoso e briga por vaga na Copa

– É mais uma oportunidade, trato cada jogo como uma oportunidade única, desde pequeno eu quis vestir a camisa da Seleção. Tendo mais uma oportunidade, quero mostrar meu melhor. Sei que está na reta final para decidir quem vai para a Copa, cada jogo é muito importante. Para mim, apesar de ser amistoso, é como final de Copa do Mundo. Quero demonstrar meu melhor para cada vez abrir mais meu espaço na seleção brasileira.

Premier League

– É uma competição muito difícil, todos os jogos são nivelados, todas as equipes são boas, todos os jogos tem aquele climinha de decisão. Foi uma decisão muito difícil ir para o Newcastle, mas acredito que para a minha carreira foi um diferencial. Estou muito feliz pelo meu momento. Em questão de temporada, foi a minha melhor de forma disparada. A Premier League realmente é diferente.

– Todo jogo na Premier League é difícil, não tem jogo fácil, a gente vê o último ganhando do primeiro às vezes, é um campeonato muito difícil, numa intensidade muito alta. Por mais que eu tenha jogado na League 1, quando fui para a Premier League senti bastante nos três primeiros jogos a intensidade. É bem diferente, a liga mais difícil do mundo, é bem difícil jogar, mas é o campeonato que eu sempre quis estar, creio que todo jogador poderia jogar pelo menos um ano na Premier League para ver que é diferente.

Novas caras no grupo de Tite

– Todo mundo quer jogar, a gente vem desde a Olimpíada sendo acompanhado pelo professor. Tendo oportunidade, a gente quer mostrar, a gente é moleque para o futebol, quer mostrar o nosso futebol, quer estar jogando, não importa se vai começar como titular ou entrar ao longo do jogo, conta muito, ainda mais agora com cinco substituições. Isso é importante, agrega ao professor, é uma dor de cabeça boa, como ele costuma falar. Às vezes ele pode jogar a camisa para o alto que quem pegar vai estar pronto para jogar. Isso é bom para o Brasil, estamos confiante para essa Copa do Mundo e esperamos ser campeões. É um passo de cada vez, mas estamos confiantes no trabalho.

Ambiente na Seleção

– Pegando exemplo meu e do Pombo, a gente não fala inglês muito bem, então quando está lá não fala com muita gente. Aqui falamos com todo mundo, estamos sempre zoando, sempre rindo, sempre um no quarto do outro brincando, então você se sente bem, se sente à vontade. É primordial estar bem para dentro de campo se sentir à vontade.

Fonte: Globo Esporte