domingo, 3 de julho de 2022

Paulo Pezzolano: Cruzeiro lidera Série B com técnico workaholic, de hábitos caseiros e fã de pizza

Com mais de 72% de aproveitamento pelo Cruzeiro e líder da Série B, treinador uruguaio constrói bom trabalho no Cruzeiro com alicerce de estudo e apoio familiar

Publicado em
porLeonardo

Demorou aproximadamente três anos para a relação Cruzeiro e Uruguai ser oxigenada, após a saída de Arrascaeta para o Flamengo. A cultura uruguaia charrua voltou a ser marcada forte com o técnico Paulo Pezzolano e seus três auxiliares (Martín Varini, Matías Fillippini e Gonzalo Álvarez).

Vivendo ótimo momento na Raposa, o treinador se diz completamente adaptado em Belo Horizonte, apoiado na base familiar e no estilo workaholic que leva no Cruzeiro. Em entrevista ao ge, o treinador contou um pouco sobre seu estilo de vida e como pensa o futebol.

Quem trabalha com Pezzolano e comissão técnica sabe que o grupo tem um ritmo de trabalho considerado acelerado, bem ao estilo que o treinador gosta de suas equipes, com intensidade de jogo e ofensividade. O treinador admite que não descansa, nem mesmo quando não está na Toca da Raposa. Vive intensamente a função.

Vivendo ótimo momento na Raposa, o treinador se diz completamente adaptado em Belo Horizonte, apoiado na base familiar e no estilo workaholic que leva no Cruzeiro. Em entrevista ao ge, o treinador contou um pouco sobre seu estilo de vida e como pensa o futebol.

Quem trabalha com Pezzolano e comissão técnica sabe que o grupo tem um ritmo de trabalho considerado acelerado, bem ao estilo que o treinador gosta de suas equipes, com intensidade de jogo e ofensividade. O treinador admite que não descansa, nem mesmo quando não está na Toca da Raposa. Vive intensamente a função.

Pezzolano conta ter um estilo bem caseiro. Gosta de sair para almoçar ou jantar com a família. Ainda não teve tempo, por exemplo, para conhecer as cidades históricas de Minas. Na culinária, conta ter uma paixão: pizza.

– Saímos à jantar e almoçar. Ficamos muito em casa, somos uma família tranquila. Gosto de comer muito, de todo tipo de comida. Mas gosto muito de pizza. Como muita pizza. Sempre tem muito lugar para comer pizza aqui. Mas sou de casa, de ficar em casa. Gostamos às vezes de sair para jantar. Estamos muito bem adaptados em BH – declarou o treinador celeste.

Paulo Pezzolano, esposa e os três filhos — Foto: Arquivo pessoal
Paulo Pezzolano, esposa e os três filhos — Foto: Arquivo pessoal

Alicerces de Pezzolano

Escolhido por Ronaldo Fenômeno por meio de um processo seletivo, o treinador não abdica da sua convicção ofensiva e intensiva do futebol.

– Na verdade, como treinador, entramos pelo modelo de jogo e metodologia. Isso fica mais fácil pelo trabalho. É melhor do que entrar só pelo resultado, porque o resultado é só fim de semana. Qualquer um pode ganhar ou pode perder. Mas quando escolhe o caminho mais longo, e o clube quer o caminho. Ele está contente, gostando de como joga a equipe. Temos que seguir o caminho. Saber que os rivais, a cada dia mais, conhecem como está jogando o Cruzeiro. Não podemos dar como satisfeitos. Não está tudo perfeito. Temos que trabalhar dia a dia, temos que melhorar muito para dar certo.

Pezzolano e a comissão técnica foram escolhidos por meio de um processo seletivo no Cruzeiro  — Foto: Divulgação/Cruzeiro
Pezzolano e a comissão técnica foram escolhidos por meio de um processo seletivo no Cruzeiro — Foto: Divulgação/Cruzeiro

Se o treinador do Cruzeiro leva uma vida tranquila fora de campo, dentro dele é com muita intensidade que o uruguaio está colocando o time celeste nos trilhos.

– O que gostamos, qualquer jogador, qualquer torcedor, é que seja muito agressivo, intenso, que joga com bola e com bloco alto, ofensivo. A maioria gosta disso. E é o caminho mais longo. Conseguimos fazer uma equipe, fizemos uma equipe competitiva. Os jogadores entenderam isso. Gostam disso. E isso torna tudo mais fácil – destacou o treinador.

É muito mais fácil demitir o treinador do que assumir que errou. Então, isso acontece nas equipes grandes. Mas sabemos que a vida do treinador é assim. Se ganha, terá tempo longo no clube. Se não ganha, sairá fora.

Líder da Série B do Brasileiro com 22 pontos, Pezzolano tem o desafio de manter o Cruzeiro na ponta e, o mais importante, entre os quatro que sobem para a Série A.

– O mais difícil, em qualquer coisa, é a regularidade. Você pode jogar um, dois, cinco jogos bem. Mas quando tem 38 jogos, um campeonato, manter essa regularidade é o mais difícil. Temos que trabalhar para manter. E, mais do que G-4, temos que melhorar como equipe. Não se fica até o G-4 no final. Tomara que fiquemos no G-4 e na ponta até o final. Mas sabemos que é o difícil. O importante é que a equipe está evoluindo. Ao final do campeonato, acho que estaremos onde merecemos.

Fonte: Globo Esporte